:::Clube da Piada:::

Thursday, February 16, 2006

Despedida do Padre

uma pequena cidade do interior, havia um padre muito famoso. Certo dia, ele precisou ir embora e o povo da cidade resolveu fazer uma festa para ele. O prefeito iria fazer um discurso.

Quando deu o horário da festa, estavam todos lá, menos o prefeito. Passada meia hora, o povo estava impaciente e o prefeito não havia chegado. Então, o padre resolveu fazer o discurso.

— Quando cheguei a essa cidade, a primeira pessoa que se confessou comigo falou que havia matado a família, transado com a filha do patrão, bebido feito um condenado, fumado como um doido e visto milhões de filmes pornográficos. Logo pensei que aqui só havia homens como esse. Mas, quando conheci o povo trabalhador e honesto, mudei minha opinião.

Acabando de falar, o prefeito chegou, pediu perdão por ter se atrasado e disse:
— Quando esse padre chegou, tive a honra de ser o primeiro a me confessar com ele!

Papagaio Poliglota

ma loja de animais tinha um papagaio poliglota à venda, que custava mil reais. Um dia um homem se interessou, e perguntou como funcionava.

O dono da loja disse:
Você levanta a asa direita e ele fala francês, a esquerda ele fala alemão, a perna direita, italiano e a esquerda, português. O cara ficou abismado, e perguntou:
— E se levantar as duas pernas?

E o papagaio respondeu:
— Eu caio, imbecil.

A Primeira Mulher

a aula de religião a professora pergunta para o Joãozinho:
— Joãozinho, quem foi a primeira mulher?

E o garoto responde:
— Pô, professora, eu não vou falar da minha vida sexual na frente de todo mundo, né?

Joãozinho Unabomber

garoto disse pra sua mãe:
— Mãe, eu joguei uma bomba na mesa da professora.

A mãe gritou com ele:
— Você está louco? Volta e pede desculpa pra sua professora.

— Mas mãe, que professora?!

O Emprego do Juvenal

uvenal estava desempregado há meses. Com a resistência que só os brasileiros têm, Juvenal foi tentar mais um emprego em mais uma entrevista.

Ao chegar no escritório, o entrevistador perguntou:
— Qual foi seu último salário?

— "Salário mínimo", respondeu Juvenal.

— Pois se o Senhor for contratado, ganhará 10 mil dólares por mês!

— Jura?

— Que carro o Senhor tem?

— Na verdade, agora eu só tenho um carrinho pra vender pipoca na rua e um carrinho de mão!

— Pois se o senhor trabalhar conosco, ganhará um Audi para você e uma BMW para sua esposa! Tudo zero!

— Jura?

— O senhor viaja muito para o exterior?

— O mais longe que fui foi pra Belo Horizonte, visitar uns parentes...

— Pois se o senhor trabalhar aqui viajará pelo menos 10 vezes ao ano, para Londres, Paris, Roma, Mônaco, Nova Iorque...

— Jura?

— E digo mais... O emprego é quase seu. Só não confirmo agora por que tenho que falar com meu gerente. Mas é praticamente garantido. Se até amanhã, sexta-feira, à meia-noite o senhor NÃO receber um telegrama nosso cancelando, pode vir trabalhar na segunda-feira.

Juvenal saiu do escritório radiante. Agora era só esperar até a meia-noite da sexta-feira e rezar para que não aparecesse nenhum maldito telegrama.

Sexta-feira mais feliz não poderia haver. Juvenal reuniu a família e contou as boas novas, e convocou o bairro todo para uma churrascada comemorativa.

Sexta à tarde já tinha um barril de chopp aberto. Às 9 horas da noite a festa fervia. A banda tocava, o povo dançava, a bebida rolava solta.

Dez horas, e a mulher de Juvenal, aflita, achava tudo um exagero.

A vizinha gostosa e interesseira já se jogava pra perto do Juvenal. E a banda tocava... E o chopp gelado rolava... O povo dançava!

Onze horas, Juvenal já era o rei do bairro. Gastaria horrores para o todos encherem a pança, tudo por conta do primeiro salário. E a mulher resignada, meio aflita, meio alegre, meio assustada.

Onze horas e cinqüenta e cinco minutos... Vira na esquina buzinando feito louca uma moto amarela... Era do Correio!

A festa parou! A banda calou! A tuba engasgou! Um bêbado arrotou! Um cachorro uivou! Meu Deus, e agora? Quem pagaria a conta da festa?

— Coitado do Juvenal! Era a frase mais ouvida.

Jogaram água na churrasqueira! O chopp esquentou! A mulher do Juvenal desmaiou! A moto parou!

— Senhor Juvenal Batista Romano Barbieri?

— Si-si-sim, so ... sou eu...

A multidão não resistiu...

— OOOOOHHHHHHHHHHH!!!!!!!!!!!

Telegrama para o senhor...

Juvenal não acreditava...

Pegou o telegrama, com os olhos cheios d'água, ergueu a cabeça e olhou para todos. Silêncio total. Respirou fundo e abriu o envelope. Uma lágrima rolou, molhando o papel.

Olhou de novo para o povo e a consternação era geral. Tirou o telegrama do envelope, abriu e começou a ler. O povo em silêncio aguardava a notícia e se perguntava.

— E agora? Quem vai pagar essa festa toda?

Juvenal recomeçou a ler, levantou os olhos e olhou mais uma vez para o povo que o encarava...

Então, Juvenal abriu um largo sorriso, deu um berro triunfal e começou a gritar eufórico...

— MAMÃE MORREEUUU!!!! MAMÃE MORREEUUU!!!! MAMÃE MORREEUUU!!!!

Farmacêutico Português

sujeito liga na farmácia e pergunta:
— Seu Manuel, tem vitamina efervescente?

— Tem. Você quer de 1 ou 2 gramas.

— Qual a diferença, Seu Manuel?

1 grama.

Huga-Bula

m francês, um italiano e um argentino são os únicos sobreviventes de um navio que naufragou.

Agarrados a um pedaço de pau, vão parar numa ilha tropical.

De repente aparecem uns nativos brutamontes que agarram os náufragos e levam até o chefe deles.

O chefe olha para o francês e pergunta:
— Quer huga-bula ou morte?

Prefiro huga-bula! - responde o francês.

Nisso, dois nativos enormes agarram o francês e huga-bula no coitado.

Em seguida, perguntam para o italiano:
— Quer huga-bula ou morte?

— Prefiro huga-bula! - respondeu o italiano.

Aí, surgiram cinco nativos e huga-bula no italiano.

Finalmente, perguntaram para o argentino:
— Quer huga-bula ou morte?

O argentino pensou "Se eu disser huga-bula, os nativos vão me enrabar..." e respondeu:
— Pois eu prefiro a morte!

E o chefe:
— Huga-bula nele até morrer!

Amnésia Alcoólica

ois bêbados, um de aproximadamente 50 anos e outro de uns 23, encontram-se em um bar, começam um papo animado e em poucos minutos parecem velhos amigos. Na hora de ir embora eles param em frente a uma casinha verde, em uma rua próxima e o bêbado mais velho diz:
— Ei, amigão esta é minha casa, quando quiser aparecer, pode chegar.

O mais novo retruca:
— Que é isso parceiro, essa casa é minha...

E começa uma discussão: é minha - não, é minha... No meio da briga aparece uma senhora na porta da casa e grita:
— Que coisa feia, hein! Pai e filho discutindo bêbados uma hora dessas!

Macaco Prevenido

professora estava com os seus alunos a visitar os bichinhos no zoológico.

Passaram pela jaula dos leões, viram as girafas e então pararam na jaula dos macacos. Havia uma placa enorme dizendo que era proibido jogar comida aos animais, mas caros leitores, vocês sabem como são as crianças. Juquinha estava com um saco de pipocas e decidiu jogar uma para um macaquinho, que pegou a pipoca enfiou no cu e comeu. Ele jogou novamente, o macaco pegou, enfiou de novo cu e comeu. A professora viu aquilo e ficou espantada, correu até o zelador que cuidava dos animais e disse muito brava:
— Que absurdo foi aquele meu senhor, aquele macaco com aquela indecência?

O zelador com toda calma respondeu;
— Isso não é nada, acontece que semana passada vieram umas pessoas aí e jogaram um coco, ele engoliu e não conseguiu cagar. Agora ele mede tudo que dão para ele comer pra ver se passa.

Mulher Difícil

rapazinho da recepção, não agüentando a curiosidade com os barulhos, murmúrios, unfs, arghs, ais e aís que vinham da suíte do casalzinho em lua-de-mel, encostou o ouvido na porta:
— Posso agora, benzinho? -- pedia o noivo.

Nenhuma resposta. A voz do noivo cada vez mais angustiada seguia no mesmo refrão, madrugada adentro:
— E agora, benzinho, posso agora? Nada, nenhuma resposta.

Quase dia claro, um último apelo:
Deixa, benzinho, deixa agora.

— Está bem, está bem, pode tirar!

Tio João

marido, que estava viajando, liga para casa para saber noticias e sua filha atende:
— Oi filha, como você está? - pergunta ele.

— Bem, papai.

— E sua mãe, cadê?

— A mamãe esta no quarto com o tio João.

— Tio João? Mas você não tem nem um tio João.

Então na hora ele percebe e fala.

Filha, vá lá e fala para a mamãe que o papai encostou o carro aqui na frente de casa!

— Tudo bem, papai. Eu já volto.

E depois de alguns minutos ela volta.

— Já disse, papai!

— E o que aconteceu filha?

— A mamãe levantou da cama correndo escorregou no tapete e morreu, e o tio João foi pular na piscina para sair pelos fundos e esqueceu que o senhor tinha esvaziado a piscina e morreu!

— Nossa! Piscina!? Aí é do numero 555-3145?

— Não, diz a menina!

— Ah! Desculpe foi engano!

Pesquisa Fracassada

ONU resolveu fazer uma pesquisa em todo o mundo.

Enviou uma carta para o representante de cada país com a pergunta: "Por favor, diga honestamente qual é a sua opinião sobre a escassez de alimentos no resto do mundo".

A pesquisa foi um grande fracasso. Sabe por quê?

Todos os países europeus não entenderam o que era "escassez".

Os africanos não sabiam o que era "alimento".

Os cubanos estranharam e pediram maiores explicações sobre o que era "opinião".

Os argentinos mal sabem o significado de "por favor".

Os norte-americanos nem imaginam o que significa "resto do mundo".

O congresso brasileiro está até agora debatendo o que é "honestamente".

O Marido Filho da Puta

Uma mulher entrou na igreja para confessar-se com aquele padre muito sacana:
- Padre, o meu marido é um filho da puta!
- Não diga isso, minha filha! Afinal ele é o seu marido!
- Mas ele é um filho da puta mesmo, seu padre! Veja só o que ele me aprontou: ontem, eu estava deitada no sofá vendo televisão ele chegou e colocou a mão na minha perna.
- Mas eu também estou colocando a mão na sua perna e não sou filho da puta!
- Depois, seu padre, ele levantou a minha saia.
- Eu também estou levantando a sua saia e não sou filho da puta!
- Mas, depois ele tirou a minha calcinha!
- Eu também estou tirando a sua calcinha e não sou filho da puta!
- Mas depois ele me comeu!
- Eu também estou te comendo e não sou filho da puta!
- Mas, padre, depois de me comer ele me disse que estava com Aids!
- Filho da Puta!

Camisetas Universitárias

udo começou quando a turma de Direito da faculdade resolveu transformar
uma célebre frase em camiseta e ela virou moda no Campus. A turma fez a seguinte frase:
"Seu namorado faz Direito? Vem cá que eu faço!"

Aí o pessoal de Medicina resolveu provocar:
"Ele pode até fazer direito, mas ninguém conhece seu corpo melhor que eu."

O pessoal de Administração não deixou por menos:
"Não adianta conhecer o corpo, fazer Direito se não souber Administrar o que tem!"

E a Turma de Agronomia mandou esta:
"Uns conhecem bem, outros fazem direito, e alguns sabem administrar o que tem,
mas plantar a mandioca como nós ninguém consegue!"

E não termina por aí!

Depois foi o pessoal de Publicidade:
"De que adianta conhecer bem, fazer direito, saber administrar e plantar a mandioca
se depois não puder contar pra todo mundo?"

Logo veio a turma da Engenharia participar também da brincadeira:
"De que adianta conhecer bem, fazer direito, saber administrar, plantar a mandioca, e
poder contar pra todo mundo, se não tiver energia e potência para fazer varias vezes?"

Mas a frase campeã foi realmente a da Economia:
"De que adianta conhecer bem, fazer direito, saber administrar, plantar a mandioca, poder
contar pra todo mundo, ter energia e potência para fazer várias vezes se mulher gosta mesmo é de dinheiro?"

Um Dia Difícil

sujeito estava no fundo do bar, triste e arrasado, quando chega um brigão, arranca o copo de sua mão, bebe a metade e ainda joga o resto no chão:

— Fala alguma coisa, agora! Fala logo antes que eu te arrebente!

O sujeito responde, triste:
— Hoje é o meu dia de azar, mesmo.

Logo de manhã eu perdi a hora porque acabou a energia e tive que descer 20 andares de escada.

Eu fui sair da garagem, o pneu estava furado. Perdi meia hora pra trocar o pneu, saí com muita pressa e acabei batendo o carro.

Cheguei muito atrasado no trabalho, discuti com meu chefe e fui mandado embora.

Por causa disso, cheguei bem mais cedo em casa e peguei minha mulher na cama com o amante.

Aí eu já perdi logo a paciência, fui bater no cara e acabei apanhando feio, fiquei coberto de sangue.

Fui tomar um banho e levei um puta choque. E pra acabar de vez com o meu dia, eu tô aqui, na minha, me preparando pra me suicidar, me chega um idiota feito você e ainda toma todo o meu copo com veneno!

Assim não dá!!

O que Dão?

a aula de Ciências, a professora diz:

— Anotem a liçao de casa, crianças. Vocês vão ter que pesquisar o habitat natural das 70 espécies de animais que estão na página 23, também vão ter que dizer qual o país de origem de cada animal, quais seus predadores, suas presas, seus costumes e fazer uma redação sobre cada um... falando em animais, Martinha, o que dão as ovelhas?

— Lã, professora.

— Muito bem! Pedrinho, o que dão as galinhas?

— Ovos, Fessora!

— Parabéns! Joãozinho, o que dão as vacas?

— Liçao de casa!

Passaporte para o Céu

bservando a grande bagunça que tinha virado o céu com tantas pessoas entrando, tanto movimento, São Pedro decidiu tomar algumas providências.

Vamos mudar tudo! — disse ele, para os anjos-funcionários

— Agora para entrar no céu a pessoa tem que contar a história da sua morte... Se a história for muito triste, a pessoa entra... Senão fica no purgatório, no inferno! Se vira! Ah, isso aqui está ficando muito cheio!



dia seguinte o céu estava todo cercado com portões altos e formou-se uma grande fila na portaria. E o anjo Gabriel foi orientando o pessoal:

Gente! O negócio é o seguinte: cada um de vocês vai contar como morreu e eu vou decidir se vocês vão ou não entrar no céu, OK?

Então o primeiro homem da fila começou a contar sua história:

— Eu estava desconfiando que minha mulher estava me traindo então hoje cheguei mais cedo no meu apartamento, no décimo segundo andar, pra pegar ela no flagra.

— Quando eu cheguei ela estava pelada na cama, mas eu revirei a casa inteira e não achei ninguém! Quando já estava desistindo, olhei pra sacada e vi duas mãos penduradas... Ah, era o desgraçado!



— Não pensei duas vezes, fui até a sacada e pisei nas mãos dele até ele cair... Mas o filho da mãe caiu em cima de um toldo e sobreviveu... Aí corri pra dentro de casa pra pegar a coisa mais pesada que tivesse e jogar em cima dele.

— Reuni minhas forças, carreguei a geladeira até a sacada e joguei no miserável... Acertei em cheio! Mas fiz tanta força que fiquei tonto e caí, bem em cima do imbecil... Aí eu morri...

— É, boa história! — disse o anjo, ainda meio confuso nessa nova função — Pode entrar... Próximo!



Er, oi anjo! — disse o próximo sujeito da fila — Eu estava no meu apartamento, no décimo terceiro andar, fazendo meus exercícios diários na sacada e, de repente, perdi o equilíbrio e escorreguei...

— Por sorte eu me agarrei na sacada do apartamento de baixo, mas quando estava me erguendo, apareceu um maluco pisando nas minhas mãos e gritando... Aí não teve jeito!

Caí de lá de cima... Por sorte, caí em cima de um toldo aí pensei "Estou salvo", mas o maluco não se deu por satisfeito e jogou uma geladeira em cima de mim! Aí eu morri, né! Fazer o quê...



anjo se esforçou pra segurar o riso e mandou ele entrar.

Então veio o terceiro homem da fila:

— Olha, você não vai acreditar, mas eu estava pelado, dentro de uma geladeira...

Pagando Pelos Erros

uito decepcionada com as atitudes do filho, Dona Antônia, uma mulher muito religiosa, foi pedir auxílio ao padre da paróquia que freqüentava.

— Ai, padre! Eu não sei mais o que eu faço com o meu Joãozinho! Ele anda falando muitos nomes feios!

Hum... Acho que tenho uma solução, Dona Antônia! A senhora anota em um bloquinho todos os palavrões que ele disser e, no final do mês, faça ele doar para a igreja dez centavos por cada palavrão! Assim ele vai aprender a se controlar...

Ótima idéia, padre! — disse ela, animada — Vou começar hoje mesmo!

E voltou para casa, confiante.



m mês depois o padre foi até a casa dela e perguntou:

— Então, Dona Antônia? O garoto falou muitos nomes feios?

Bastante, padre... Eu até já fiz as contas e deu nove reais e noventa centavos.



ntão Joãozinho apareceu com cara de poucos amigos, tirou uma nota de dez reais da carteira e entregou ao padre, que disse:

— Muito bem... Mas infelizmente eu não tenho 10 centavos pra te dar de troco agora, Joãozinho...

— Ah, então o senhor vai tomar no cu e fica tudo certo!

O Garoto Entusiasmado

garoto de quinze anos chega na farmácia e pede uma camisinha.

O farmacêutico olha para o rapaz com olhar indignado.

— É que eu vou jantar na casa da minha namorada - justifica-se o garoto — e nunca se sabe... de repente, pode rolar um clima...



farmacêutico entrega o preservativo para o rapaz, este paga e vai embora. Cinco minutos depois está de volta e pede outra camisinha.

— Lembrei-me que a prima da minha namorada também vai estar lá... e ela é muito bonita! Talvez ela se interesse por mim... acho melhor garantir!

O rapaz embolsa a segunda camisinha e vai embora. Logo depois está de volta.

— Sabe, moço! Eu estive pensando e acho que seria melhor eu levar mais uma. Eu ouvi que a mãe dela gosta de rapazes novos e quem sabe ela também se interesse por mim.



noite, no jantar com a namorada, a família toda reunida à mesa, o rapaz permanece o tempo inteiro no mais absoluto silêncio. A certa altura, a menina cochicha para o rapaz:

— Puxa, querido! Você não falou uma palavra! Não sabia que você era tão tímido!

— E nem eu sabia que o seu pai era farmacêutico!

Competição de Morcegos

O morcego estava fazendo uma competição com seus três filhos pra ver quem arrumava sangue mais rápido. O filho mais velho sai voando e volta em 60 segundos com a boca suja de sangue. O pai pergunta:
- Onde você arrumou esse sangue?
- Tá vendo aquele boi ali?
- Tô.
- Foi dele.
O segundo filho sai voando e volta em 30 segundos com a boca suja desangue. O pai pergunta:
- Onde você arrumou esse sangue?
- Tá vendo aquela mulher ali?
- Tô.
- Foi dela.
O filho mais novo sai voando e volta em 15 segundos com a boca suja desangue. Novamente, o pai:
- Onde você arrumou esse sangue?
- Tá vendo aquele muro ali?
- Tô.
- Eu não vi.

A Arte de Convencer

Dois amigos estavam fumando maconha e foram pegos pela polícia. No dia do julgamento o juiz, que estava de bom-humor, disse:

— Vocês parecem ser boas pessoas, por isso lhes darei uma segunda chance!

— Ao invés de irem pra cadeia, vocês terão que mostrar para as pessoas os terríveis males das drogas e convencê-las a largá-las!

— Compareçam ao tribunal daqui uma semana, pois eu quero saber quantas pessoas vocês convenceram!

Na semana seguinte os dois voltaram e o juiz perguntou para o primeiro homem:

— Como foi sua semana, rapaz?

— Bem, meritíssimo, eu convenci 17 pessoas a pararem de consumir drogas para sempre!

— 17 pessoas? — disse o juiz, satisfeito — Que maravilha. O que você disse para elas?

— Eu usei um diagrama, meritíssimo. Desenhei 2 círculos como estes:


O o

Aí apontei pro círculo maior e disse:

— Este é o seu cérebro em tamanho normal... — e apontando pro menor — E este é o seu cérebro depois das drogas!

— Muito bem! — aplaudiu o juiz, virando-se para o outro sujeito — E você? Como foi sua semana?

— Eu convenci 234 pessoas, meritíssimo!

— 234 pessoas? — exclamou o juiz, pulando da cadeira — Incrível! Como você conseguiu isso?

— Utilizei um método parecido com o do meu colega. Desenhei 2 círculos como estes:

o O

— Mas eu apontei para o círculo menor e disse:

— Este é seu cu antes da prisão...